Dossie

Quatro décadas atrás, trinta e dois telugos se tornaram mártires na luta para construir uma siderúrgica pública na cidade indiana de Visakhapatnam. Hoje, diante de um governo que quer privatizar a usina siderúrgica de Visakhapatnam, o povo e os trabalhadores se uniram na luta para manter sua usina siderúrgica no setor público. Nosso dossiê n. 55 conta uma história heróica de sobrevivência em face da desmoralização induzida pelo Estado.

A partir de uma análise do cenário mundial, este dossiê resgata o trabalho do comunista italiano Antonio Gramsci para as atuais trincheiras de luta, reforçando o papel central da Batalha de Ideias. Para isso, entrevistamos Neuri Rossetto, da coordenação nacional do MST, que discute as experiências sociais contemporâneas que bebem dessa fonte e que conseguem, na vida concreta, construir as sementes de esperança de um novo mundo.

O Dossiê 53 discute a questão da terra na África do Sul, analisando para o papel dos fazendeiros brancos que há muito se beneficiam do trabalho de trabalhadores rurais negros explorados.

A partir de um relato histórico sobre a situação dos trabalhadores rurais, argumenta que aqueles que trabalham na terra são os que merecem ser seus principais beneficiários, mas, em vez disso, foram excluídos dos lucros e da estabilidade da posse da terra por gerações. Diante dessa realidade, o dossiê n. 53 discute como seria uma agenda de reforma agrária que centralizasse as perspectivas e necessidades dos trabalhadores rurais.

Em 2 de maio de 1942, centenas dos principais escritores, artistas e líderes comunistas da China se reuniram para discutir as principais questões culturais da época. O histórico Fórum Yan’an sobre Literatura e Arte durou três semanas. Por que dezenas de milhares de artistas e escritores viajaram para a remota cidade de Yan’an durante esses anos? Por que a cultura foi tão central para a construção política? Como os desenvolvimentos intelectuais ajudaram a levar o povo e a nação chineses à revolução? Oito décadas depois, que relevância tem o espírito Yan’an, especialmente para artistas, escritores e intelectuais que buscam servir às lutas do povo hoje?

A decadência do império estadunidense, a transição geopolítica em desenvolvimento e a conformação de um mundo multipolar abrem para a América Latina e Caribe uma série de possibilidades e novos debates acerca de quais são as margens de autonomia possíveis para um processo de desconexão que valorize as necessidades das maiorias populares da região e provoque uma transição para abandonar a condição de países capitalistas dependentes.

Após quase três décadas, os militares reascenderam à vida política brasileira com a chegada de Jair Bolsonaro à presidência. Este dossiê analisa as FFAA no Brasil, sua relação com o imperialismo estadunidense e a militarização de setores nacionais, caracterizada por uma coesão ideológica conservadora e liberal, uma visão de um Estado à serviço dos interesses privados e uma forte visão anticomunista. Estes aspectos nos permitem compreender melhor o comportamento dos militares, que vieram à superfície da política para disputar abertamente os rumos da sociedade brasileira.

Camuflado por trás da linguagem de “direitos humanos” e “democracia”, os Estados Unidos se aliaram às oligarquias de direita da América Latina e do Caribe para isolar e prejudicar seus adversários na região. Para entender a atualidade do continente, recorremos a Héctor Béjar, um dos intelectuais mais proeminentes do Peru, que escreveu com grande paixão sobre a história de seu país, a esquerda e as possibilidades de mudança social em nosso tempo.

Sob a liderança da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América – Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP), o Instituto Tricontinental de Pesquisa Social fez parceria com 26 institutos de pesquisa de todo o mundo para elaborar um Plano para Salvar o Planeta. Este documento vivo e em evolução apresenta uma visão para o presente e o futuro imediato centrada em doze temas-chave: democracia e ordem mundial, meio ambiente, finanças, saúde, habitação, alimentação, educação, trabalho, trabalho de cuidado, mulheres, cultura e o mundo digital.

A adoção dos projetos neorreacionários e de direitas alternativas do Norte aparecem na América Latina como ponta de lança para modificar os mapas cognitivos dos povos, para deslocar posições político-discursivas e agendas públicas para a direita. Este dossiê se dedica à análise das novidades das direitas na região: como operam, com que discursos, que base social mobilizam e quais são as continuidades e rupturas com a história das direitas no continente.

Estudos

Catástrofes de um tipo ou de outro irradiam da Ucrânia, incluindo uma inflação galopante e fora de controle. Áreas do mundo que não são parte direta do conflito estão sendo duramente atingidas por crescentes pressões econômicas, com a agitação política como consequência inevitável. Nesse contexto, o Peace and Justice Project, instituto de pesquisa liderado por Jeremy Corbyn, juntou-se ao Instituto Tricontinentalde Pesquisa Social e dois parceiros de mídia, Globetrotter e Morning Star, para produzir uma série de reflexões sobre o desdobramento dos conflitos em relação à conceitos de não-alinhamento e paz.

A lutadora popular equatoriana Nela Martínez (1912-2004) foi fundamental nas lutas da classe trabalhadora e das mulheres. Militante comunista e internacionalista, participou na formação da Federação Equatoriana de Índios e teve um papel central na insurreição A Gloriosa (1944). Membro do Comitê Central do Partido Comunista do Equador, liderou a criação de organizações de mulheres como a AFE e a URME. Sua biografia política entrelaça as  lutas das mulheres com as lutas anticapitalistas, antifascistas, antirracistas e anti-imperialistas.

Em 25 de fevereiro de 2021, o governo chinês anunciou que a pobreza extrema havia sido abolida na China, um país de 1,4 bilhão de pessoas. Essa vitória histórica é o culminar de um processo de sete décadas que começou com a Revolução Chinesa de 1949. Este estudo analisa o processo pelo qual a China foi capaz de erradicar a pobreza extrema como uma etapa fundamental na construção do socialismo.

“Reerguidos das ruínas”, a primeira edição da nova série de Estudos sobre a República Democrática Alemã (RDA), aborda a fundação da RDA após a Segunda Guerra e reconstrói seu desenvolvimento de um Estado democrático antifascista para um de natureza socialista. O estudo aborda a eficiência econômica da RDA, suas conquistas e contradições, enquanto destaca aspectos centrais de sua sociedade socialista como a organização coletiva em empresas estatais, a economia planejada e o internacionalismo.

Este estudo aborda a vida e o legado de Kanak Mukherjee, uma lutadora popular que nasceu em Bengala (Índia), em 1921. A rica trajetória de sua militância nos ensina sobre a história das mulheres que se dedicaram a lutas locais, nacionais e internacionais que fizeram conexão entre as lutas pelos direitos das mulheres às mobilizações anticapitalistas e anti-imperialistas por todo o século 20.

Em meio ao aumento exponencial do desemprego, da fome e da miséria no Sul Global, mulheres tentam lidar com uma nova realidade agravada pela pandemia.
Este estudo analisa a condição das trabalhadoras da linha de frente da saúde; o processo de pauperização e descaso em que foram imersas as trabalhadoras domésticas e informais; os despejos criminosos de famílias em todo o mundo; a crescente onda da violência doméstica; e ainda o incansável fardo do trabalho do cuidado gratuito em casa.
Ao final, apresentamos as demandas de mulheres e organizações feministas para a construção de um mundo mais justo, humano e igualitário.

O surgimento da pandemia do novo coronavírus exacerbou e elucidou o abismo entre Estados socialistas e capitalistas. Nos primeiros, a preocupação com as vidas humanas acima do lucro deu a linha para a ação estatal e civil, resultando em menores taxas de infecção e fatalidade, enquanto os Estados capitalistas negaram a gravidade do problema e permitiram que o setor privado lucrasse às custas da saúde pública. Neste estudo, examinamos Cuba, Vietnã, Venezuela e o estado indiano de Kerala para investigar como essas regiões socialistas do mundo conseguiram lidar com o vírus de maneira mais eficaz.

Em meio à pandemia de Covid-19, o governo dos Estados Unidos dedicou fartos recursos para aumentar o ataque contra seus adversários  – principalmente contra a Venezuela – desde o aumento das sanções até uma invasão frustrada, passando pela ingerência em instituições internacionais como o FMI. Este estudo analisa profundamente a guerra híbrida liderada pelos EUA contra a Venezuela, desmascarando as falsas narrativas criadas para apoiar esse ataque.

Esse é o primeiro de uma série de estudos sobre o CoronaChoque, cada um com várias partes. Está composto de três artigos sobre como a China identificou o novo coronavírus e como o governo e a sociedade lutaram contra sua propagação, assim como uma entrevista com Li Zhong, um artista de Xangai.